17.024 - Fisiopatologia das Doenças Cardiovasculares

MODULAÇÃO DO SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA NA CARDIOMIOPATIA INDUZIDA POR HIPERATIVIDADE SIMPÁTICA: EFEITO DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO 1Pereira, M. G.**; 2Ferreira, J. C. B.**; 3Mattos, K. C.; 4Oliveira, E. M.; 5Krieger, J. E.; 6Brum, P. C.; 1, 2, 3, 4, 6Biodinâmica do movimento do corpo humano, USP; 5Instituto do Coração, USP;

Objetivo:

Avaliar o efeito do treinamento físico aeróbio (TF) sobre a via clássica do sistema renina-angiotensina (SRA) em camundongos com deleção dos genes dos receptores a2A/a2C-adrenérgicos (KO), os quais apresentam cardiomiopatia induzida por hiperatividade simpática associada à disfunção ventricular e taxa de 50% de mortalidade aos 7 meses de idade.

Métodos e Resultados:

Camundongos controle (WT, n=15) e KO (n=14) (C57/BL6), foram subdivididos em dois grupos: sedentários (S) e treinados (T) e estudados dos 3 aos 5 meses de idade, período onde a cardiomiopatia encontra-se em fase precoce. O TF foi realizado em esteira rolante, a 60% da velocidade máxima, 1h/dia, 5dias/sem, durante 8 semanas. Para avaliar a tolerância ao esforço físico realizou-se teste progressivo máximo em esteira (velocidade inicial de 6 m/min com incrementos de 3 m/min a cada 3 min até a exaustão do animal). A freqüência cardíaca (FC) e a pressão arterial caudau (PA) foram avaliadas por pletismografia de cauda; a fração de encurtamento (FE), representativo da função cardiovascular, por ecocardiograma; a atividade da enzima conversora de angiotensina (ECA) no soro, coração, pulmão e rim por fluorimetria e a atividade da renina plasmática por radioimunoensaio. Aos 5 meses de idade (cardiomiopatia em estágio intermediário) o grupo KOS apresentou intolerância ao esforço físico (22%), taquicardia em repouso (11%) e redução da FE (20%); a atividade da ECA cardíaca e renal estava aumentada (18% e 54%, respectivamente), quando comparados ao grupo WTS. O TF no grupo KO preveniu o desenvolvimento da intolerância ao esforço físico; normalizou a FC em repouso (39%), não modificou a PA e restaurou a FE para os níveis do WT. Além disso, reduziu a atividade da ECA cardíaca e renal (41% e 36%, respectivamente, em relação ao grupo KOS), no entanto não modificou a atividade da ECA pulmonar e circulante. Curiosamente, o TF aumentou a atividade da renina plasmática no grupo KO (69%, em relação ao KOS).

Conclusões:

O TF proporciona benefícios cardiovasculares tanto hemodinâmicos quanto celulares, pois auxilia a prevenir a progressão da insuficiência cardíaca. Os resultados afirmam que o SRA tecidual responde de maneira diferenciada do sistêmico, justificando uma possível restauração da função dos órgãos-alvo.

Apoio Financeiro: FAPESP # 06/57164-1

imprimir